Política Nacional

Candidatos dispensam reforço da segurança por conta de atentado

Geraldo Alckmin e Marina Silva não pediram reforços de mais policiais federais
Fonte: Estadão Conteúdo | Editor: Paulo Pincel 10/09/2018 17:55
Momento do ataque a Jair Bolsonaro em Juiz de Fora (MG) Momento do ataque a Jair Bolsonaro em Juiz de Fora (MG)Foto: Reprodução

O candidato do PSDB à Presidência, Geraldo Alckmin, disse que não pediu reforço em segurança pessoal nas agendas públicas que participa, após o atentado contra seu adversário, Jair Bolsonaro (PSL), na última quinta-feira. Segundo ele, o incidente também não motivou nenhuma mudança nas agendas ou nos protocolos das visitas.

"Gosto do contato com as pessoas", resumiu o ex-governador, durante uma pausa para um cafezinho entre duas agendas na manhã desta segunda-feira. Na padaria, o tucano tomou dois cafés e comeu um pão com manteiga enquanto conversava com jornalistas e posava para selfies com alguns poucos clientes e trabalhadores do estabelecimento.

Segundo a assessoria do candidato, o reforço na segurança acontecerá apenas se for imposto pela Presidência da República. Alckmin já é acompanhado por um policial federal desde o início da campanha, mas a Presidência decidiu elevar o efetivo disponível para os candidatos após o atentado a Bolsonaro.

Marina

A candidata à Presidência Marina Silva (Rede), afirmou ainda no sábado (8) que, mesmo após o atentado contra o candidato Jair Bolsonaro (PSL), não irá usar reforço da Polícia Federal em sua segurança. “Não pedi reforço. Nós vamos continuar fazendo a nossa campanha, defendendo propostas, dialogando com a população, reafirmando os compromissos que temos desde 2014".

Comentários