Brasil

Brasileiro quer leis mais duras contra a violência e a criminalidade

pesquisa violencia Brasil leis duras
Fonte: fecomercio-RJ 21/05/2015 19:03 - Atualizado em 17/11/2016 10:22
Em meio às discussões sobre a redução da maioridade penal e o aumento da violência em metrópoles brasileiras, levantamento sobre Segurança Pública realizado pela Fecomércio RJ/Ipsos aponta maior adesão dos brasileiros a medidas mais rígidas. Como vem sendo observado desde o início do levantamento (em 2007), “Colocar mais policiais na rua” (43,3%) foi a solução mais mencionada para o combate à criminalidade e violência no Brasil.

Na sequência, em 2015, e com o maior salto nas citações de um ano para outro – crescimento de 8,5 pontos percentuais - está o item “Aprovar leis mais duras e penas mais longas”, com 39,3% das respostas, a maior parcela desde o inicio do levantamento. O item “Fazer com que a Polícia Federal e a Polícia Estadual trabalhem mais juntas no combate ao crime” caiu de 31,3% para 27,4% de adesão, mas se mantém entre as três estratégias mais apoiadas.

Na sequência, a pesquisa também destaca a “Melhoria dos salários e das condições dos policiais” (23,5%) para resolver o problema da criminalidade e violência no Brasil, seguida de “Implementar mais programas de primeiro emprego para jovens” (23,1%), “Treinar e qualificar melhor os policiais” (20,7%) e “Aumentar verbas para saúde e educação” (20,3%).

“O brasileiro continua a apoiar ações estruturais no combate à violência, como emprego e educação, mas está mais propenso a endurecer as punições. Está mais atento e consciente quanto à importância do cumprimento da Lei e da Justiça. E aqui não se trata de opor ações coercitivas a estruturais. Ambas são fundamentais e precisam ser conjugadas.”, comenta Christian Travassos, economista da Fecomércio RJ.

Maioridade penal e pena de morte

Quando estimulados a falar sobre programas que visam a redução da criminalidade, 88,8% dos entrevistados informaram ser a favor da ”Implementação de programas para crianças de 7 a 14 anos fora do período escolar”. Outro destaque foi para o item “Punição de menores de idade como adultos”, citado por 85,9% dos brasileiros.

A pesquisa mostra ainda que cresce a adesão dos brasileiros a medidas como “Pena de morte em casos de crimes graves, como assassinato e estupro” e “Punição de menores de idade como adultos”, com avanços de 2,1 e 1,0 ponto percentual, respectivamente, na comparação com o ano anterior. O apoio à pena de morte foi o maior em nove anos – desde o início do levantamento. Entre as ações com recuo na adesão, o principal destaque foi “Colocar o exército nas ruas para combater a criminalidade”, com queda de 6,9 pontos percentuais.

A população também está menos pré-disposta a pagar ainda mais impostos para combater a criminalidade, visto que a opção “Aumentar gastos de combate ao crime e à violência, mesmo que para isso seja preciso aumentar os impostos” foi a que apontou menor concordância dos entrevistados (38,4%).

A pesquisa foi realizada pela Fecomércio RJ/Ipsos entre os dias 14 e 28 de fevereiro e contou com a opinião de 1.200 consumidores, em 72 municípios brasileiros.

Comentários

Matérias Relacionadas