Mundo

Bordel de bonecas sexuais é aberto em Paris

O XDoll convida seus clientes para realizar suas fantasias carnais usando bonecas de silicone
Fonte: Sputnik | Editor: Redação 01/02/2018 09:52
Europa ganha primeiro bordel de bonecas sexuais Europa ganha primeiro bordel de bonecas sexuaisFoto: Clan [COBRA]

Enquanto as leis francesas proíbem pagar por sexo com prostitutas, elas não dizem nada sobre aluguel de bonecas de silicone para os mesmos objetivos, e, tudo indica que o novo bordel secreto resolver se aproveitar da brecha para lucrar. O bordel XDoll, que foi inaugurado recentemente na capital francesa, convida seus clientes para realizar suas fantasias carnais usando – literalmente – bonecas de silicone (Lily, Sofia e Kim), comunicou a edição The Local. O estabelecimento funciona secretamente já que em seu site oficial não há informações sobre endereço exato, mencionando somente que está situado "na área do 14º distrito" de Paris.

Para saber a localização do prostíbulo clandestino, o consumidor deve primeiro pagar por um programa com uma das bonecas. Uma hora com uma das três "prostitutas de silicone" equivale a 89 euros (R$ 339). Se o cliente quiser passar duas horas, então terá de pagar um pouco mais caro: 149 euros (R$ 588). Pagando mais 19 euros (R$ 75), o consumidor receberá um capacete de realidade virtual.

Em 2016, a França adotou uma lei que proíbe pagamento por serviços sexuais. Contudo, a lei não menciona nada sobre a utilização de bonecas de silicone. Sendo assim, há grandes chances de o bordel estar se aproveitando da brecha para lucrar. No passado, um estabelecimento parecido foi inaugurado na cidade alemã de Dortmund, sendo ele o primeiro do país. De acordo a dona do local, “as bonecas são funcionárias perfeitas” já que elas nunca ficam doentes, sempre estão bonitas e não exigem pagamento adicional algum.

O primeiro bordel de bonecas sexuais na Europa foi inaugurado em março de 2017, na Espanha. Em setembro de 2017, um aplicativo de aluguel de bonecas sexuais surgiu na China. Depois de dois dias, o acesso ao serviço foi bloqueado pelas autoridades do país asiático.

Comentários