Política

Autoridades, entidades e sociedade debatem o suicídio

Fonte: Paulo Pincel | Editor: Paulo Pincel 13/09/2017 17:56
Deputados com o secretário de Saúde preocupados com os dados sobre o suicídio no Piauí Deputados com o secretário de Saúde preocupados com os dados sobre o suicídio no PiauíFoto: Paulo Pincel

Autoridades, organizações não governamentais, profissionais que atuam na prevenção, familiares de vítimas e outros interessados participaram nesta quarta-feira (12), da sessão solene especial para marcar o Dia Mundial de Combate ao Suicídio, por proposição dos deputados Dr. Hélio Oliveira (PR) e Francis Lopes (PRP).

Entidades que atuam na prevenção do suicídio, como Centro de Valorização da Vida (CVV), Samaritanos e Centro Débora Mesquita participaram dos debates, que emocionaram os presentes com relatos de familiares de pessoas que cometeram suicídio.

O secretário estadual de saúde, Florentino Neto, falou em nome do Governo do Estado, que destacou a criação do “Plano Estadual de Combate ao Suicídio.

O deputado Francis Lopes citou os dados preocupantes sobre o suicídio no mundo, no Brasil, no Piauí e em Teresina. A OMS-Organização Mundial de Saúde aponta que “são mais de 800 mil por ano no mundo, o Brasil está em 8º. Lugar; o Piauí está em 5º no Brasil e Teresina consegue ficar em primeiro lugar em número de suicídio no Piauí.

O deputado falou das ações do Governo para minorar o problema, como o lançamento recente do “Plano Estadual de Combate ao Suicídio” e lamentou que, apesar destas ações da atuação de órgãos como CVV e CDM, não consegue mudar a fria estatística de que 9 entre 10 mortes de suícidas poderiam ser evitadas.

A presidente do CDM, Késia Miranda, emocionou a todo ao falar da irmã Débora Mesquita, que dá nome ao centro criado pela família para dar às pessoas com potencial suicida a oportunidade de continuarem vivas, com orientação e apoio. Ela reclamou que as ações anunciadas no lançamento do Plano Estadual de Combate ao Suicídio, como a cartilha com orientação para os jovens, nunca saíram do papel. “Até hoje ninguém viu esta cartilha.

Késia também crobou mais divulgação sobre os Centro de Atendimento Psicossocial. “Ninguém que socorreu minha irmã naquele dia sabia disso. Nem os guardas, nem os médico e nem os enfermeiros do Samu”, reclamou Késia. No dia seguinte à primeira tentativa, Debora estava morta.

Os números de suicídios no Piauí preocupam Os números de suicídios no Piauí preocupam Foto: Paulo Pincel

Comentários