Entretenimento

Atores de cinema fizeram sexo de verdade em pelo menos dez filmes

Se você suspeitou que a cena de sexo no cinema parecia real, você estava certo
Fonte: Marie Claire | Editor: Redação 01/07/2017 23:30
Ninfomaníaca NinfomaníacaFoto: Divulgação

Uma reportagem da revista Marie Claire revela que se você alguma vez suspeitou que aquela cena de sexo no cinema parecia real demais para ser somente atuação talvez seja porque os atores, na verdade, não estavam somente interpretando. É o caso de pelo menos dez filmes. Neles, o senso de realismo exigido pelo diretor levou o elenco a praticar o ato de verdade em frente às câmeras. Eis o resumo de alguns deles:

"Ninfomaníaca"

O filme de 2013 traz Charlotte Gainsbourg, Stellan Skarsgård, Shia LaBeouf, Christian Slater, Uma Thurman, e Willem Dafoe em cenas pra lá de quentes. Mas na hora H, o elenco recorreu a dublês, que mostraram TUDO no set de filmagens.

"Shortbus"

O filme conta a história de Sofia (Sook-Yin Lee), uma terapeuta de casais que nunca teve um orgasmo. Ela e um grupo de pessoas se encontram regularmente no Shortbus, um clube underground que une arte, música e política.

"9 Canções"

Música e sexo caminham juntos no filme "9 Canções". O longa mostra o romance que se desenvolve entre Matt (Kieran O'Brien) e a americana Lisa (Margo Stilley) após se conheceram em um festival de rock. As cenas de sexo são BEM reais.

"Parceiros da Noite"

Al Pacino vive um policial em busca de um serial killer que tem como alvo homens gays. A versão original traz cenas reais de sexo, mas depois algumas delas foram retiradas para serem exibidas ao público.

"Intimidade"

Premiado pelo Festival de Berlim, o filme conta a história de um homem que se apaixona pela mulher com quem está fazendo sexo casual. Mas (SPOILER) descobre que ela não tem planos de deixar o marido.

"Anticristo"

Os atores Willem Dafoe e Charlotte Gainsbour, aparentemente, usaram dublês para as cenas de sexo deste filme de terror dirigido por Lars von Trier. No longa, uma escritora e um psicanalista vivenial experiências anormais após a morte do filho. O filme foi muito criticado por mostrar mutilação vaginal, mas rendeu a Gainsbour o prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes em 2009.

Comentários