Política

Medeiros denuncia preconceito e ódio contra Lula

Medeiros diz que para entender a crise é preciso superar o preconceito e o ódio.
Fonte: Alepi | Editor: Paulo Pincel 23/04/2018 15:00
Ex-deputado federal Antonio José Medeiros Ex-deputado federal Antonio José MedeirosFoto: Caio Bruno/Alepi

O ex-deputado federal Antonio José Medeiros (PT) foi um dos convidados do debate desta segunda-feira (23) na Assembleia Legislativa, quando reforçou algumas das posições já defendidas por oradores que o antecederam na tribuna. Segundo ele, o Brasil vive uma crise muito grave, que é ampla, profunda e prolongada. Na sua avaliação, para ser entendida e interpretada, a crise precisa da contribuição das várias ciências humanas.

O ex-deputado falou das conjunturas e suas análises e disse que o que o país está precisando da contribuição das várias ciências humanas, como a História, Antropologia, Psicologia e da Psicanálise, porque sem as visões dessas conjunturas não é possível entender tudo o que está passando no país.

Antonio José Medeiros argumentou que para entender a crise é preciso superar dois obstáculos: o preconceito e o ódio. Medeiros entende que o preconceito tem a ver com a história do indivíduo, que é o preconceito da “casa grande’ contra a senzala, que segundo ele, é uma herança maldita do período em que a escravidão dominava todas as relações sociais.

“Esse preconceito nos leva a dizer: conheça o seu lugar. Sobretudo, quando o pobre virou liderança e ocupa um cargo importante. Esse preconceito estimula o desrespeito. Não precisa ser negro, basta ser pobre, não ter curso superior, falar errado e beber cachaça”, acrescentou.

Para o ex-deputado, o mais grave é quando a raiva se transforma em o ódio, porque o ódio leva ao combate, não só o desejo de vingança, mas também o desejo de destruição do outro. “Essa é a verdadeira ameaça a democracia, que está sendo pouco a pouco insinuada e que nós devemos combater com toda força”.

Concluindo, o ex-deputado disse que o ódio a Lula não é espontâneo e sim fabricado. E que para os outros políticos existe o limite da raiva e para o Lula esse limite é ultrapassado.

“Eu apelo a todos nós dizendo que não se combate o preconceito com preconceito e o ódio com o ódio. Compete a nós, com as convicções democráticas, defender o fim de Estado de sessão e a volta de estado de direito. Eu acho que a mudança para se retornar ao aperfeiçoamento de estado de direito, no Brasil, começa no Legislativo estadual e, sobretudo, na Câmara Federal e no Senado”, disse José Medeiros, acrescentando que a sociedade brasileira precisa superar esse ambiente de polarização e de ódio, que leva ao desrespeito à dignidade da pessoa humana.

Comentários