Educação

Alunas de escolas municipais são premiadas em concurso nacional

Keydy Ketley e Emilly Santos conquistaram o 2º e o 3º lugar, respectivamente, no concurso de redação
Fonte: Prefeitura de Teresina | Editor: Redação 26/02/2018 14:28
Redação RedaçãoFoto: Stoodi

Duas estudantes da Rede Municipal de Ensino e do Programa Cidade Olímpica Educacional estiveram entre os vencedores do 3º Concurso de Redação da Defensoria Pública da União – DPU. A premiação ocorreu na sede da DPU/PI e contou com a participação das famílias e dos professores orientadores, em uma solenidade marcada por elogios.

Keydy Ketley e Emilly Santos conquistaram o 2º e o 3º lugar, respectivamente, na competição que reuniu alunos de 6º ao 9º ano do Ensino Fundamental, Ensino Médio e EJA das escolas públicas de todo o país. O concurso desafiou os jovens a escreverem sobre o tema “Mais direitos, menos grades”, promovendo a discussão sobre os direitos da população e incentivando a expressão crítica sobre o sistema prisional brasileiro.

Keydy concorreu quando ainda era aluna da Escola Municipal Maria do Socorro Pereira da Silva. Atualmente no Ensino Médio, ela conta que recebeu apoio na escola e também no Cidade Olímpica, onde passou quatro anos. A menina de 15 anos intitulou seu texto campeão de ‘Reabilitar para a liberdade’. “Estou muito feliz, pois não esperava estar entre os vencedores, já que era um tema difícil. Recebi incentivo de todos e consegui essa vitória”, disse.

Emily, aluna do 7º ano da Escola Municipal Valter Alencar, se destacou com a redação “Para que serve a cadeia?”. Há apenas um ano no Programa da Prefeitura de Teresina, a estudante de 11 anos de idade é um prodígio com as palavras e motivo de orgulho para a família. “Minha filha ama livros. O sonho dela era vencer uma competição, estamos muito felizes com essa conquista. Sinto que ela tem um futuro brilhante e agradeço todo o apoio dos professores”, declarou a mãe de Emily, Elionita dos Santos.

Os defensores públicos Dr. Rômulo Plácido e Dr. Danilo Correia premiaram os vencedores do concurso e falaram da importância de ações como essa para envolver os estudantes nos debates sobre direitos humanos. “Esse é um tema complexo, exige que os jovens pensem fora da caixa. O objetivo é mesmo promover esse debate tão importante para o progresso da sociedade. As redações foram excelentes, esperamos repetir o sucesso da competição este ano”, disse Dr. Danilo.

O professor da disciplina de língua portuguesa do Programa Cidade Olímpica, Orlando Nascimento, recebeu um certificado como agradecimento por orientar os trabalhos premiados. Para ele, esse é um momento de coroação do trabalho realizado aos sábados. “Preparamos alunos para competições de conhecimento, então a conquista é sempre motivo de felicidade e orgulho. Trabalhamos com vídeos, textos e debates, não apenas para a participação neste concurso, mas para a evolução da turma como um todo”, explica.

O diretor da E. M. Maria do Socorro Pereira da Silva, Afonso Flávio Borges, já anunciou que a unidade de ensino deve participar da próxima edição do concurso também na categoria Escola, que premia a campeã com R$ 10 mil. “Além de incentivar os alunos a pensarem em temas polêmicos, estimulando leitura e escrita, o concurso traz essa ótima premiação para as escolas. Acredito que a vitória das meninas vai despertar o interesse das outras escolas municipais em participar também”, disse o diretor.

Comentários