Saúde

Adolescentes precisam se vacinar contra HPV e meningite

Ministério da Saúde está ampliando a faixa etária da vacina meningite C
Fonte: PMT | Editor: Redação 14/03/2018 10:43
Imagem ilustrativa Imagem ilustrativaFoto: Reprodução

A Fundação Municipal de Saúde Teresina convoca jovens e adolescentes para se vacinarem contra meningite e HPV (Papiloma Vírus Humano). Nesta terça-feira (13), foi lançada pelo Ministério da Saúde a Campanha de Mobilização e Comunicação para a Vacinação do Adolescente contra HPV e Meningites. Deverão ser vacinadas contra o HPV, meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos. Neste ano, o Ministério da Saúde está ampliando a faixa etária da vacina meningite C, que agora passa a ser 11 a 14 anos de idade. No ano passado, estavam sendo vacinados contra a doença meninas e meninas de 12 a 13 anos.


“Queremos vacinar pelo menos 80% do público alvo. A vacina que protege contra o HPV foi incorporada ao Sistema Único de Saúde em 2014. No que diz respeito à vacina meningocócica C (conjugada), que protege contra meningites, em 2018 foi ampliada para adolescentes. A ampliação para adolescentes, além de proporcionar proteção direta aos mesmos, alcançará o efeito protetor da imunidade coletiva a grupos não vacinados”, informa Amariles Borba, diretora de Vigilância em Saúde da FMS.


A diretora diz ainda que as vacinas contra o HPV e a meningocócica C fazem parte do calendário de rotina disponível nas unidades do SUS, durante todo o ano e que esta é uma campanha de mobilização. “É importante ressaltar que esta é uma campanha informativa e de esclarecimento e não uma campanha de vacinas. A campanha é importante para alertar as pessoas sobre a necessidade da vacinação, esclarecendo dúvidas e dando informações verdadeiras, baseadas em estudos científicos”.


HPV


Com o objetivo de reforçar as atuais ações de prevenção do câncer do colo do útero, vulva, vagina, região anal, pênis e orofaringe dá-se continuidade à estratégia de vacinação contra o HPV dos tipos 6, 11, 16 e 18. A vacinação, conjuntamente com as atuais ações para rastreamento do câncer nos sítios mencionados acima, possibilitará prevenir a doença nas próximas décadas, além de reduzir os óbitos relacionados com os acometimentos provocados pelo vírus.


Em 2018, a vacina HPV quadrivalente está disponível para a população do sexo feminino de nove a 14 anos de idade (14 anos, 11 meses e 29 dias) e para população do sexo masculino de 11 a 14 anos de idade (14 anos, 11 meses e 29 dias) com esquema vacinal de duas doses (0 a 6 meses). “A estratégia de vacinação para meninos também contribui para reduzir a transmissão do vírus para as mulheres e, assim, reduzir adicionalmente a incidência de doença relacionada ao HPV na população feminina”, explica Amariles Borba, diretora de vigilância em saúde.


Os tipos de HPV de alto risco oncogênico são detectados em 99% dos cânceres de colo de útero sendo os mais comuns os HPVs 16 e 18, que em conjunto, são responsáveis por cerca de 70% destes casos, contudo o HPV 16 sozinho é a causa de aproximadamente 50% em todo o mundo. Os HPVs 6 e 11 estão associados a até 90% das verrugas anogenitais. No Brasil, o perfil de prevalência do HPV é semelhante ao global, sendo 53,2% para HPV 16 e 15,8% para HPV 18.


Meningite


As sociedades científicas brasileiras recomendam o uso rotineiro da vacina meningocócica C conjugada para lactentes maiores de dois meses de idade, crianças e adolescentes. No primeiro ano de vida, é indicada aos 3 e 5 meses e a dose de reforço, entre 12 e 15 meses de idade além de doses de reforço entre 5 e 6 anos de idade e aos 11 anos. A recomendação da dose de reforço cinco anos depois do esquema inicial realizado na infância e na adolescência é baseada na rápida diminuição dos títulos de anticorpos associados à proteção, evidenciada com todas as vacinas meningocócicas conjugadas.


O Programa Nacional de Imunização recomenda a administrar o esquema de duas doses, aos três e cinco meses de idade, com intervalo de 60 dias entre as doses, mínimo de 30 dias, sendo o primeiro reforço administrado aos 12 meses de idade. Os adolescentes de 11 e 14 anos, devem receber o segundo reforço ou dose única, conforme situação vacinal encontrada.


Comentários