Saúde

Mutirões reduzem em mais de 80% a espera por cirurgia ortopédica

a diretora-geral do HGV, Clara Leal, anuncia mais um mutirão de cirurgias ortopédicas, que será realizado nesta quarta-feira (12), no feriado.
Fonte: Ascom/HGV | Editor: Redação 11/10/2016 17:11 - Atualizado em 17/11/2016 17:56
Hospital Getúlio Vargas Hospital Getúlio VargasFoto: Ascom/HGV

Dados do Serviço de Internação do Hospital Getúlio Vargas (HGV) apontam redução significativa na fila de espera para procedimento ortopédico, no período entre 2014 a 2016: de 2.203 pacientes, em 2014, para 358 em 2016. Os números representam uma redução de mais de 80% na fila de espera, resultado alcançado com a realização de mutirões aos sábados e feriados e a implantação do terceiro turno à noite.

Intensificando as ações, a diretora-geral do HGV, Clara Leal, anuncia mais um mutirão de cirurgias ortopédicas, que será realizado nesta quarta-feira (12), no feriado. A meta é realizar 35 procedimentos em pacientes que aguardam no Ambulatório Integrado e na urgência. A diretora afirma que a ação segue a orientação da Secretaria de Estado da Saúde, “para que o tempo de espera para a realização de um procedimento especializado seja cada vez menor no HGV”.

Um dos pacientes que será atendido no mutirão de amanhã é o pedreiro Josimar Gomes da Silva, 30 anos, vítima de um acidente de trânsito que quase tira a vida dele, quando voltava à noite do trabalho. Ele conta que já passou por sete cirurgias e está há oito meses afastado de suas funções. “Estou sobrevivendo do auxílio doença. Fiquei muito feliz quando fui informado que ia participar do mutirão nesta quarta”, explica Josimar.

O auxiliar de mecânico, Marcos Michele da Conceição, 24 anos, também vai participar do mutirão. Ele explica que estava se recuperando de um acidente de motocicleta quando foi vítima de outro. A irmã dele, Lucilene da Conceição, diz ter ficado feliz quando recebeu a ligação que Marcos ia participar do mutirão. “Foi uma benção, ele está há três anos parado sem trabalhar, tenho esperança que ele fique bom”, comemora Lucilene.

Segundo o Ministério da Saúde, os acidentes com motos são responsáveis por um aumento de 115% no número de internações em hospitais públicos. Por ano, essas internações custam quase R$ 30 milhões para o Sistema Único de Saúde (SUS).

Participam do mutirão nesta quarta-feira, os cirurgiões Wilson Rodrigues (coordenador), Neomar Rodrigues, Francisco das Chagas e José Sampaio. Os anestesistas Antônio Urias e Hugo Carvalho.

Comentários