Reunião de Wellington com a base aliada surtiu efeito

Coletiva com o líder do Governo na Assembleia Legislativa Coletiva com o líder do Governo na Assembleia LegislativaFoto: Assessoria

Surtiu efeito a reunião de quase duas horas, ontem (20), no final da tarde, no Salão Azul do Palácio de Karnak, quando o governador do Piauí, Wellington Dias (PT), reuniu a maioria dos deputados da base aliada na Assembleia Legislativa para exigir uma reação no mesmo tom aos excessos disparados da tribuna e na mídia pela oposição, que há duas semanas acusa o governo de desvio de recursos e outras improbidades na administração estadual.

Os ataques ao governo estão cada vez mais agressivos. Houve até quem sugerisse a prisão de gestores, sem contar a acusação de que o governador “fumou maconha estragada”.

Nesta quarta-feira (21), além dos pronunciamentos de deputados da base, que se inscreveram e inscreveram outros parlamentares governistas, como faz a oposição, para ter direito a mais tempo na tribuna, o deputado estadual João de Deus (PT), líder do governo na Assembleia Legislativa, ao lado dos deputados João Mádison (MDB), Evaldo Gomes (PTC) e Flora Izabel (PT) convocou uma coletiva na sala de reunião do gabinete da Presidência da Casa, para rebater as acusações da oposição de que houve desvio de R$ 307 milhões da primeira parcela do empréstimo de R$ 600 milhões assinado com a Caixa Econômica Federal.

"Não é a primeira operação de crédito que ocorre no Piauí. Como todas as demais foram feitas igualmente a essa, estamos requerendo através de uma solicitação nossa, por requerimento, que o TCE nos informe sobre isso. Essas operações foram realizadas nos anos de 2009 e 2010. Queremos saber do TCE se houve a migração de dinheiro da conta específica para a conta única? Se houve pagamento antecipado com a com recurso do Tesouro e depois a reversão dos valores com o dinheiro sendo repassado para o Estado? Como está sendo questionado agora. E também perguntamos se essas contas foram aprovadas pelo TCE? Com essas respostas retornaremos para esclarece qualquer dúvida sobre essa operação de credito", adiantou João de Deus.

Segundo o líder, um técnico da Caixa Econômica Federal veio a Teresina para verificar a legalidade dessa operação. “Que foi feita de acordo com o que se fazia antes. Ele orientou que fosse anexada uma nota técnica com essa informação de que estava tudo certo. Queremos retirar todas as dúvidas. Queremos mostrar que essas operações já ocorreram nas administrações passadas. Se elas foram aprovadas pelo TCE, obviamente não tem nada de errado. Isso é praticado por todos", lembrou o líder governista, antes de encerrar a coletiva e discursar na tribuna da Casa por quase uma hora.

O deputado Dr. Hélio Oliveira (PR) também se inscreveu e falou da tribuna para defender Wellington Dias da fúria dos adversários. O próprio governador também se manifestou sobre as operações de crédito.

"Veio uma equipe de Brasília para ter uma sintonia com o modelo novo implantado na prestação de contas. Temos a tranquilidade de que fazemos nossa parte com as obras ocorrendo... Está em jogo uma disputa política, lamentavelmente. Vamos vencer. Se Deus quiser", crê Wellington Dias.

Comentários