Ponteiro dos Séculos

Ponteiro dos Séculos Ponteiro dos Séculos Foto: Salvador Dali

Badala

O som metálico

Sepulcro do relógio

Dim...Dom...

Dim...Dom...

Um átomo se desloca pela ruga

A fronte que alveja silenciosa

Tic...tac...tic...tac...tic...tac...

Na paixão erosiva da gravidade

Uma fruta desfacela

O albúm amarela

As estrelas me tem saudade

Tic...tac...tic...tac...tic...tac

Badala

Os sinos nos campos da memória

De tempos tenros idos

A prece, a manhã e a infância de todos os sentidos

De simplesmente ser

Um relógio derretido

Triiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiinnnnnnnnnnnnnnnn !!!!!!!!!!!!!!!!!

O desperta-dor tremula sob a cômoda alma

Triiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiiinnnnnnnnnnnnnnnn !!!!!!!!!!!!!!!!!

Atravesso desertos revoltos

Dentro da ampulheta

Por ceús desmoronados e infernos soterrados

Fecundo cada instante

Badala

Sentado no ponteiro dos séculos

Meu cabelo cria lôdo

Meu peito enferruja

Amanhece o fio do meu novelo

Tic...tac...tic...tac...tic...tac...tic...tac...tic...tac...tic...tac...

Dim...dom..

Dim...dom

No ponteiro dos séculos

Fiz minha morada

Alinho meu tempo

Ao que contemplo

Auroras do pensamento

Passo tardes a fio

Erodindo em eternidades

Por Samuel Brandão

Comentários

ARTEFATO

Samuel

Trabalha como DJ e proprietário do La Ville Ristobar

Sobre o Blog

O que acontece no espaço cultural "Teresina", localizado embaixo da Ponte Juscelino Kubitschek, na Marechal castelo Branco

Apoio: