PM e PRF liberam a saída de caminhões de terminal de petróleo

Caminhões deixam o terminal de petróleo em Teresina Caminhões deixam o terminal de petróleo em TeresinaFoto: Reprodução/WhatsApp

Atualizada às 20h05

Trinta e oito caminhões-tanques deixaram, no início da noite desta segunda-feira (28), o terminal de petróleo de Teresina, no bairro Direceu Arcoverde, na zona Sul da capital, para abastecer postos de combustíveis em Teresina e no interior do Piauí, onde os estoques acabaram no começo da manhã. A liberação aconteceu depois de 12 horas de negociação entre a coronel-PM Júlia Beatriz e o comando de greve.

Um pouco mais cedo, o secretário de Estado da Segurança Pública, coronel-PM Rubens Pereira, recebeu uma comissão de manifestantes que foram negociar a liberação do acesso ao terminal de petróleo. A saída dos caminhões foi aplaudida pelos curiosos que estava na frente do terminal.

Outros caminhões-tanque que aguardavam do lado de fora começaram a abastecer para seguir viagem para outras cidades. De acordo com so transportadores de cargas, a normalização do abastecimento de combustível e gás deve demorar no mínimo dez dias.

Mais cedo, o Ministério Público Federal (MPF) no Piauí requisitou as forças federais da Polícia Rodoviária Federal (PRF) e do Exército visando a eficiência e agilidade na retirada dos manifestantes que se encontram no Terminal de Petróleo de Teresina, obstruindo a saída de caminhões-tanque. Enquanto os camionhões com combustível não saem do terminal, alguns donos de postos aproveitaram a falta do produto para elevar o preço.

Desde domingo (27), o MPF, através do procurador da República Marco Túlio Lustosa Caminha, vem tentando essa desobstrução, prometida pela Secretaria de Segurança do Estado para que o abastecimento dos postos de combustíveis da Capital e interior do estado sejam feitos", diz uma nota do MPF-PI.

Não é só o procurador da República que perdeu a paciência com os grevistas. Os donos de postos, transportadores de cargas, empresários de diversos setores da economia, como os da indústria da panificação, os proprietários de restaurantes e outros, além dos políticos, todos, são unânimes em afirmar que já passou da hora do Governo do Estado intervir para desobstruir a saída dos caminhões-tanques do terminal de petróleo de Teresina, no bairro Dirceu Arcoverde, na zona Sul da cidade, para levar gasolina etanol e diesel para abastecer os postos da capital e do interior.

Filas quilométricas nos postos que ainda têm combustível
Filas quilométricas nos postos que ainda tem combustível para venda

Nos poucos postos onde ainda havia algum estoque de combustível, filas quilométricas se formaram desde as primeiras horas de hoje e devem continuar pela noite e madrugada. O motivo: um pequeno grupo de motoristas que fazem transportes de passageiros via aplicativos, como Uber, estacionaram os carros na saída do terminal, impedindo a passagem dos caminhões com os taques cheios de combustíveis.

Foi justamente essa a reclamação dos empresários – a omissão do Estado em desobstruir o acesso dos caminhões ao terminal de petróleo – durante a reunião no gabinete do presidente da Assembleia Legislativa, deputado Themístocles Filho (MDB) no final da manhã desta segunda-feira (28), da qual participaram o secretário de Estado da Segurança Pública, coronel-PM Rubens Pereira, o presidente da Câmara Municipal de Teresina, vereador Jeová Alencar (PSDB), o presidente da OAB-PI, Chico Lucas, além do próprio Themístocles Filho e vários deputados estaduais.

Bem distante da Assembleia Legislativa, o senador Ciro Nogueira (Progressistas), não participou da reunião, mas também perdeu a paciência com os manifestantes.

“Tinha que desbloquear, o movimento já foi todo atendido. É um absurdo meia dúzia de carros de aplicativos estarem obstruindo acesso, deixando a população completamente sem abastecimento. Eu apelei ao governador que colocasse a Polícia Militar para desobstruir o acesso ao terminal de petróleo”, adiantou o senador não menos irritado com a desmobilização das forças de segurança em garantir o direitos das pessoas de ir e vir, como determina a Constituição Federal.

No início da tarde, alguns motoristas de ônibus que fazem o transporte intermunicipal de passageiros, foram para o terminal de petróleo, depois que a Polícia Rodoviária Federal ameaçou multa-los por estacionar seus veículos na faixa exclusiva para ônibus na Avenida João XXIII na zona Leste de Teresina. Ao que tudo indica, a interdição vai continuar, apesar do esforço da coronel Júlia Beatriz, mediadora de crises da Polícia Militar, que desde de cedo negociava a saída dos veículos do Uber da frente do terminal de petróleo. O Uber sairam no final da manhã, mas outros manifestantes, inclusive estudantes com a cara pintada, protestam na saída do terminal.

Comentários