Derrotada, oposição aposta em atraso de salário e 13º

Deputado estadual Gustavo Neiva (PSB) Deputado estadual Gustavo Neiva (PSB)Foto: Caio Bruno/Alepi

Reduzida pela metade, serão cinco deputados em plenário [número que pode diminuir para apenas dois], a oposição ao governo Wellington Dias promete continuar fiscalizando a administração estadual, mesmo sem mandato, fora do parlamento. Quase uma semana depois da votação, a choradeira ainda é grande.

O discurso da maioria dos adversários do governo, candidatos que não conseguiram se eleger ou reeleger, como o tucano Luciano Nunes, apenas o terceiro colocado na disputa ao governo, atrás de Dr. Pessoa, literalmente derrotado pela urna eletrônica na eleição de domingo, não mudou com a derrota no voto.

Além de Luciano e Pessoa, deixam o mandato em fevereiro de 2019, Juliana Moraes Souza, Rubem Martins e Robert Rios, que caíram prometendo continuar de olho no governo.

Quem conseguiu manter o mandato, como Gustavo Neiva (PSB), reclama que o jogo foi desigual. “O governo derramou obras até na véspera da eleição. Carradas de pedras para calçamento, asfaltos sendo feitos em cidades. Sem dúvida, isso influenciou o resultado das eleições. Na medida do possível tivemos um desempenho bom. Mas temos que respeita a decisão do povo”, desconversou o deputado, um dos mais críticos adversários do governo na Assembleia Legislativa.

A eleição passou, mas o pessimismo dos adversários de Wellington continua. Tanto que Gustavo Neiva aposta no atraso dos salários e no não pagamento do 13º salário. O deputado quer que o secretário de Estado da Fazenda, Rafael Fontelles, apresente o balanço do segundo quadrimestre e revele a real ituação financeira do Estado.

“A nossa preocupação já é o atraso do salário. A informações que temos é que o atraso salarial deve ocorrer e que não se tem dinheiro para o 13º salário. O secretário tem que explicar”, exigiu Neiva, sem revelar a fonte da informação.

Já Dr. Pessoa ainda não se conformou com a derrota em primeiro turno. O candidato do Solidariedade ameaça ingressar com um pedido de anulação das eleições, alegando fraude na urna eletrônica. Pessoa armou o maior barraco na cabine de votação, no domingo passado, ao lado de Frank Aguiar, igualmente derrotado nas urnas, só que para o Senado. No momento do voto, alega Dr. Pessoa, as fotos dele e de Frank Aguiar não teriam aparecido na urna. O deputado exige uma explicação da Justiça Eleitoral.

Comentários