MDB vai brigar pela vice e pelo chapão até o último momento

Deputado federal Marcelo castro (MDB-PI) Deputado federal Marcelo castro (MDB-PI)Foto: Gabriel Paulino

Depois de um “sumiço” providencial, o presidente do MDB no Piauí, deputado federal Marcelo Castro, foi as duas TV locais para entrevistas nesta segunda-feira (4) para falar sobre a polêmica vaga de candidato a vice-governador, que o MDB defende seja ocupada pelo deputado estadual Themístocles Filho, presidente da Assembleia Legislativa.

O partido também propõe a formação de uma chapão governista para a disputa proporcional, isto é todos os partidos da base governistas disputando vagas na Câmara dos Deputados e na Assembleia Legislativa por uma mesma chapa. O PT do governador Wellington Dias quer “chapa pura” do PT.

“Essa é a maneira mais eficiente em função da legislação eleitoral que nós temos. Se nós formos juntos nós faremos num deputado federal a mais e dois a três deputados estaduais. Se perguntar ao governador, ele vai querer a chapa única, onde as maiores médias beneficiam as maiores coligações”, defendeu o deputado

Marcelo castro afirmou ter ouvido outros partidos aliados e é unânime a posição de todos em relação ao chapão. “Hoje eu convidei os partidos da base para saber se a nossa posição era defendida só por nós ou pelo os outros partidos da base. Evidente que todos os partidos concordaram. Todos que estiveram na minha residência advogam que deva ter uma chapa só para proporcional. Estamos pedindo coisas absolutamente razoáveis e esperamos ser atendidos” repetiu na TV Cidade Verde o que já havia dito a outros jornalistas nas várias entrevistas que vem concedendo ao longo dos últimos meses.

Sobre um eventual rompimento com o governador caso o MDB não seja 100% atendido nos seus pedidos, Marcelo Castro foi objetivo: “isso é uma questão fora de discussão”. “O governador está empenhado em resolver este problema. Ele já fez esses cálculos. É o melhor para as candidaturas e para a administração do governador, pois ele terá uma base forte”, acredita.

Depois de ser entrevistado na TV Cidade Verde, Marcelo Castro seguiu para a TV Meio Norte, onde repetiu o mesmo discurso. Não existe faca no pescoço, mas o MDB vai brigar pela vice e pelo chapão proporcional até o último momento. “Não houve fechamento de questão. O que houve foi um alinhamento de posições. Quer dizer, um fala, outro fala. Nós resolvemos nos reunir e ver o que nós temos de convergência”, resumiu Marcelo Castro sobre a reunião com os outros aliados de Wellington Dias.

A posição base vai fazer o PT repensar sua estratégia, se quiser que WDias continue tendo o apoio dos aliados. Ou pode correr o risco de ficar sozinho nessa disputa, o que seria uma tremenda burrice. O PT pode perder o governo por conta da vaidade de quem só tem olhos para o próprio umbigo.

Comentários