BLOG DO DEUSVAL

Por Deusval Lacerda

Governar é planejar

*Por Deusval Lacerda de Moraes

O governo golpista brasileiro é tão atabalhoando que, apesar da capacidade de ser hilário, risível, não consegue o sucesso de uma comédia. Mas tenho a impressão que um comediante competente, na condução do governo, obteria melhor desempenho, seria mais proveitoso para a Nação.

Tudo indica que os trapalhões do poder têm verdadeira obsessão pelo governo, mas parece que, inversamente proporcional, não possuem qualquer envergadura, aptidão para a governança.

Até agora, depois de consumado o famigerado golpe parlamentar-constitucional-judicial, não conseguiram fazer praticamente nada que realmente se possa considerar como planejamento governamental consentâneo com o campo da atividade pública.

O que fizeram ou fazem é sempre de afogadilho, por isso falho, incompleto, enviesado, malfeito. Eles não têm noção do que é preciso fazer. Não fazem sequer a leitura certa dos verdadeiros problemas nacionais. E, em agindo assim, desconhecem o elementar para governar um País.

Para começar, basta lembrar que, ao alojarem-se no poder, a violência e a criminalidade nos centros urbanos no Brasil já estavam num crescendo. E sabendo que realmente é um dos problemas mais angustiantes dos brasileiros, em vez de adotarem medidas planejadas e eficazes no setor, ignoraram a política pública e castigaram a população.

Para agradar o rentismo nacional e internacional trataram de aprovar a crudelíssima PEC dos Gastos, que congela por vinte anos investimentos nos áreas primárias do Brasil, como saúde, educação, segurança pública etc, que, contrário senso, precisam a cada exercício financeira de mais verbas para a sua estruturação e evolução para a promoção do bem-estar da sociedade com vistas ao crescimento e desenvolvimento do País.

Agora, em face à omissão, negligência e culpa do governo espúrio em atacar racionalmente as reais carências nacionais, agigantou-se de lá para cá a violência e a marginalização no Brasil, e mais uma vez age fora do sentido, ou seja, sem saber o que fazer com uma realidade que contribuiu decidadamente para piorar, e apresenta outra saída estapafúrdia: a intervenção militar no sistema de segurança pública do Rio de Jsneiro. Um lembrete: governar é se inteirar dos problemas e promover ações públicas programadas para resolver ou amenizar a situação.

Comentários