Firmino: a oposição dividida é presa fácil para o governo

Prefeito de Teresina, Firmino Filho (PSDB) Prefeito de Teresina, Firmino Filho (PSDB)Foto: Paulo Pincel

A oposição dividida é presa fácil para o governo. A certeza é do prefeito de Teresina, Firmino Filho (PSDB), que andava sumido da mídia. O tucano é defensor da unidade das oposições. “Quando a oposição se divide, o trabalho do governo fica bem mais fácil. Nas eleições estaduais temos uma agenda péssima. Não se debate as questões do estado. É mais uma corrida. O que cada um se compromete? Precisamos de um debate mais profundo e mais qualificado”, defendeu.

Firmino Filho considerou corajosa a decisão do deputado estadual e vice-presidente da Assembleia Legislativa, Luciano Nunes, de lançar sua pré-candidatura ao governo do Piauí, abrindo mão de uma eleição certa no parlamento. Firmino respondeu em alto e bom tom para quem ainda duvidava de sua postura em relação ao nome de Luciano.

“A nossa posição é clara. Luciano de forma corajosa colocou seu nome. Sabemos que é o momento ideal para se debater as questões do estado. Da nossa parte, Luciano terá toda a nossa atenção e carinho para ter uma campanha bonita. Acho que é fundamental a coragem, a vontade do Luciano, que quer construir um novo momento. Luciano está com uma agenda correta”, avaliou Firmino Filho, em entrevista à TV Cidade Verde na tarde desta sexta-feira (11).

Firmino também falou sobre outros temas como o funcionamento do aplicativo Uber na capital. “Nós temos uma legislação federal que possibilita a regularização desses serviços em nível municipal. É uma tarefa a ser construída pelo poder municipal e de forma aberta. Envolve vários conflitos e entendemos que deve ser feito um debate para saber o que temos e não de consenso. Qualquer tipo de mudança tem que ter diálogo, com os taxistas, que geram 4 mil postos de trabalho. Enquanto o consenso não chega, eu defendo a legislação vigente”.

Outro tema polêmico, a integração das linhas de transporte coletivo urbano, também foi assunto da entrevista. “Já estamos com 2 meses do Integra. O nosso atual sistema está lento, caro e sem qualidade. É um sistema que a prefeitura tem uma fiscalização mais ativa e exige mais qualidade das empresas e das pessoas também. Tivemos de início muitas reações, cometemos erros e buscamos corrigir. Os problemas agora estão mais concentrados nas linhas alimentadoras, onde não teve investimento. Esse Integra é tudo ou nada. O atual sistema está falido”, admitiu o prefeito.

Comentários