Esquerdas já têm mais que os R$ 0,20 de São Paulo para tentar salvar o Brasil

Debate crise nas universidades Debate crise nas universidadesFoto: Divulgação

Com os cortes de recursos determinados pelo Ministério da Educação já é quase certo que todas as universidades públicas do Brasil vão fechar. Só esse motivo já representariam mais que aqueles R$ 0,20 de aumento da passagem de ônibus em São Paulo que provocaram um monstruoso protesto, cujo desfecho está sendo um desastre para o país.

Vocês lembram daquela multidão nas ruas, em 2013, por causa vinte centavos? Pois é... foram aqueles “inocentes protesto” que a Rede Globo e suas parceiras e parceiros acabaram usando para acelerar as ofensivas ao PT, apressar o golpe contra a presidenta Dilma Rousseff e definir a prisão do maior líder popular de todos os tempos no Brasil, o ex-presidente Lula.

A situação é diferente, desta vez, porque milhares de batedores de panelas daquela época estão quase mortos de arrependidos, mas tem vergonha de assumir que as panelas agora estão esquentando as bundas deles. O pior disso é que estão esquentando também as bundas dos que nada tinham a ver com aquilo.

Todos sabem que a situação do País, atualmente, está muito pior que naquela época das panelas e dos protestos "fora Dilma". Mas agora, diferentemente de 2013 a 2015, não esperem: ninguém vai bater panela. Até porque os instrumentos para a batida de agora deverão ser outros, pois, do contrário, todos vão se ferrar (para não usar outras expressão) de verde e amarelo?

A hora é de se perguntar por onde andam os aguerridos parlamentares, intelectuais, juristas, professores, estudantes, o pessoal administrativo e egressos das universidades que não reagem rapidamente? O que esperam para apagar a última luz da sala e sair? Será que estão esperando uma reação de coxinhas e bolsominions arrependidos? Se for isso... coitados...

Não esperem por eles. É perda de tempo. Eles não se arrependem de nada. Não têm noção suficiente para isso. São incapazes de assumir que erraram e que podem sofrer exatamente como os demais brasileiros e que, para isso venha a ocorrer é só uma questão de tempo. Parace que percebem que país está ruim para quase todos e não pode melhorar sendo comandado por gente tão despreparada, como tem sido demonstrado até agora.

Não adianta perder tempo com o pessoal que usa como argumento dizer “que a nossa bandeira nunca será vermelha”. Bobagem pura. Nossa bandeira já é vermelha, pois virou quinta dos Estados Unidos da América do Norte. Para esse tipo de gente você pode até mostrar os testículos do gato, mas vai continuar dizendo que o bicho é fêmea.

O corte de verbas das universidades é apenas um dos muitos motivos para os R$ 0,20 (vinte centavos) que as esquerdas precisam pra mobilizar país. Esse é mote: em 2019 vai faltar até R$ 0,20 para as universidades. O "laranjal", as milícias, os assassinatos crescentes no campo, os abusos de autoridades e até o alto preço da gasolina são motivos para o povo reclamar e protestar em todo o Brasil.

O que as esquerdas poderiam fazer, já que o governo quer fechar tudo mesmo, era se antecipar e parar tudo antes que a iniciativa governamental mais eficiente? Ninguém precisa do Estado para fazer isso e assim, estariam todos seguindo a proposta dos próprios governistas: o Estado ficaria mínimo de verdade.

Mas se isso não acontecer em breve e não ocorrer pressão popular uma coisa é certa: o Estado vai continuar muito grande para poucos e demasiadamente pequenino para a grande maioria dos brasileiros.

Comentários

BLOG DO BRANDÃO

Luiz Brandão

Luiz Brandão é jornalista formado pela Universidade Federal do Piauí. Está na profissão há mais de 35 anos. Já trabalhou em rádios, TVs e jornais. Foi repórter das rádios Difusora, Poty e das TVs Timon, Antares e Meio Norte. Também foi repórter dos jornais O Dia, Jornal da Manhã, O Estado, Diário do Povo e Correio do Piauí. Foi editor chefe dos jornais Correio do Piauí, O Estado e Diário do Povo. Atualmente é diretor de jornalismo do portal www.piauihoje.com

Sobre o Blog

O blog traz comentários e pensamentos do autor sobre notícias de várias áreas e setores, como maior dedicação aos acontecimentos políticos e sociais do Piauí, do Brasil e do Mundo.

Apoio: