Artigo Joaquim Lourenço: Ele não deu certo

Michel Temer Michel TemerFoto: Reprodução

Gosto muito de caminhar e observar o mundo à minha volta. Quando trabalhava na secretaria municipal de educação de Timon, quase que diariamente tinha esse hábito recomendado pelos especialistas em saúde e – se não fosse a sudorese chata que me acompanha desde a adolescência – eu acharia o melhor meio de deslocamento. Dizer não aos transportes poluentes e cansativos para a população.

Nessas idas daquele momento saudoso, estava a ocorrer uma obra grande e complexa numa das principais avenidas dessa cidade e tal feita exigia concentração e muito esforço físico dos trabalhadores braçais de lá. Não importando o tempo, começava cedo e ia até o final do dia. Como na nossa cidade predomina o clima quente e seco quase que todo o ano, o trabalho era sempre feito diante de um sol “escaldante”.

Só por conta desse fator, além do fato de serem cidadãos, aqueles trabalhadores possuíam o meu respeito, realmente era complexo e não é pra qualquer um. Da mesma forma quando me deparo com o trabalho dos garis, a disposição física para correr, pegar o lixo e colocá-lo no caminhão fazem deles verdadeiros atletas e detentores da grande responsabilidade de deixar a cidade limpa, merecem aplausos e reconhecimento.

Experimente limpar sua casa um dia, ao menos seu quarto ou simplesmente ajeitar sua cama e lavar as louças, pode ter certeza do quanto valorizará o trabalho de uma faxineira.

Relatei esses casos tendo em vista o ocorrido na Instituição Evangélica de Novo Hamburgo(RS), onde estudantes tiveram a ideia temática “se nada der certo” por conta da formatura. Se hipócrita fosse eu começaria a caracterizá-los como burgueses, almofadinhas ou filhinhos de papai doutrinados para alcançarem carreiras ditas de sucesso, pois o retorno financeiro é o prevalecente no sistema no qual vivemos.

Mas não irei nomeá-los assim. Essa foi uma das ideias para a aula da saudade levantadas por minha turma de Direito à época de nossa conclusão. Eu já tinha em mente “fantasiar-me” de frentista de posto de combustível, a ideia não vingou e optamos por personagens de cinema. Fui de Charles Chaplim e me elegeram como a melhor fantasia.

Mesmo assim considero justas às críticas que receberam e a turma reconheceu o erro com o pedido público de desculpas, mas tenho a certeza terem vindo de pessoas a pensar da mesma forma. A sociedade está doente, o “ser” há muito tempo perdeu espaço para o “ter” e o mais irônico é que esse discurso de valorização da pessoa humana vem de quem não pratica, ou seja, é um cidadão que não mede esforço para obter ganhos e consequentemente aumentar sua conta bancária.

Uma das críticas fora “Ah, porque não foram fantasiados de políticos?!”, como se cargo político fosse uma profissão de fato e muitos o encaram dessa forma. Não se pode negar como essa classe está desprestigiada e faz por merecer. Ressalto o presidente ilegítimo, vivendo de política há mais de 30 anos desde quando se aposentou aos 55.

Ele está no comando do país, mas já demonstrou uma incompetência e indignidade incomuns para tão importante cargo. Essa semana o TSE absolveu de sua cassação da chapa de 2014 conseguindo trazer ainda mais indignação perante a população. É certo também que ninguém mais o vê, pois seu governo junto com ele parecem não existir mais.

Hoje, se eu fosse participar dessa festa temática eu iria de golpista Michel Temer, porque ele não deu certo mesmo.

Comentários

CONCISO

Joaquim Lourenço

Joaquim Lourenço é licenciado em Letras pela Universidade Federal do Piauí e advogado pela FAP Mauricio de Nassau

Sobre o Blog

Uma análise sobre temas variados do cotidiano.

Apoio: